Skip to main content

Gastronomia italiana: sua influência na culinária do Rio Grande do Sul

No Rio Grande do Sul, a culinária é de origem campeira, baseada no consumo de carnes, principalmente bovina, sendo uma cozinha um tanto rústica, porém muito saborosa. Essa culinária, com o tempo, ganhou aprimoramentos e as interferências principalmente da gastronomia italiana. Mas além da cozinha muito forte advinda dos imigrantes italianos, ainda encontramos traços das culturas alemãs, polonesa, portuguesa, africana, árabe e judaica.

A gastronomia italiana tem suas raízes no século IV, na Idade Média. Ela recebeu influência dos árabes e normandos, que levaram seus cozinheiros à região da Itália e que introduziram ingredientes como batatas, tomates, pimenta e milho na gastronomia, o que a tornou como a conhecemos hoje.

Com a chegada dos imigrantes no Rio Grande do Sul, aos poucos foram introduzindo na culinária gaúcha pratos derivados de sua cultura, como as polentas, massas como os tortéis com recheio de moranga e o galeto. Alguns pratos tipicamente italianos que vieram também com os imigrantes e que se tornaram parte da nossa gastronomia são a pizza, a mortadela (embutidos), salames e o panetone.

 

Entre as bebidas, acredita-se que o vinho foi uma das mais importantes contribuições trazidas pelos imigrantes. A bebida, que não faltava na mesa dos italianos, foi se alastrando pelo Estado e pelo Brasil, com as produções cada vez mais aprimoradas. Assim, o consumo do vinho durante as refeições também ficou arraigado na cultura rio-grandense. A introdução do cultivo de vinho na região da Serra Gaúcha tornou a vinicultura a principal economia dos colonos italianos e posteriormente muito importante do Rio Grande do Sul, também influenciando a culinária gaúcha.

Outra grande mudança foi a que influenciou o clássico dos gaúchos, o churrasco. O churrasco abandonou sua rústica simplicidade – carne, pão e farinha – e recebeu as saladas verdes, as batatas, cebolas, tomates, polenta, carne de porco, linguiça, frango e, o principal, o galeto, que por suas características, assume uma posição especial de parceiro e muitas vezes de concorrente do churrasco tradicional.

 

Enfim, a imigração, principalmente a italiana, auxiliou a enriquecer a gastronomia rio-grandense com suas variedades e misturas de ingredientes e temperos. E para provar uma típica culinária italiana da forma como os imigrantes faziam, com um toque especial, visite um dos restaurantes Casa DiPaolo espalhados por oito cidades: Caxias do Sul, Bento Gonçalves, Garibaldi, Gramado, Porto Alegre e Recando do Maestro (na Quarta Colônia), no Rio Grande do Sul, em Itapema (SC) e em São Paulo (SP).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *