Skip to main content

Curiosidades da imigração italiana para o Brasil – parte III

Encerrando nossa série de curiosidades sobre a imigração italiana para o Brasil e Rio Grande do Sul – Curiosidades da imigração italiana para o Brasil -, preparamos uma lista com novas curiosidades sobre essa saga que deu origem à cultura e gastronomia como ela se apresentam hoje.

Veja: 

  • O estado do Rio Grande do Sul recebeu a primeira leva de imigrantes italianos a chegar ao Brasil;
  • Foram criadas 4 colônias que abrigaram os imigrantes italianos no Rio Grande do Sul: Conde d’Eu (primeira colônia – hoje Garibaldi), Dona Isabel (segunda colônia – Bento Gonçalves), Campo dos Bugres (terceira colônia, hoje Caxias do Sul) e Silveira Martins (quarta colônia);
  • A imigração italiana foi provocada por fatores econômicos, como grande crescimento demográfico, baixa produção e política desestruturada;
  • Com impostos e tarifas cada vez maiores, os pequenos produtores italianos, na Itália, se obrigavam a apelar para alimentos alternativos, como a passarinhada, e os a base de milho.Com o desequilíbrio alimentar e subnutrição, a população começou a sofrer com doenças como malária e a pelagra. Mais um motivo que os fez optarem pela emigração;
  • Já no início de 1900, as primeiras cooperativas vinícolas foram criadas e a produção da uva e do vinho foi crescendo e melhorando;
  • Calcula-se que, entre 1875 e 1914, entraram no Rio Grande do Sul entre 80 e 100 mil italianos;
  • A grande predominância de vênetos fez com que aqui os dialetos da região prevalecessem, e que, da fusão dos diversos dialetos, surgisse uma “língua geral”, que é chamada de vêneto.

É sempre gostoso aprender um pouquinho sobre a história e curiosidades que influenciaram e ajudaram no desenvolvimento do Brasil e do nosso Estado. Acompanhe os todas as curiosidades nos textos – Curiosidades da imigração italiana para o Brasil – Parte I e Parte II. Esperamos que tenham curtido tanto quanto nós essa série sobre a imigração italiana.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *